8 Coisas Que Precisas Fazer Se Queres Estar Em Paz Contigo Mesmo

Faz Scroll

“Nunca poderemos obter a paz no mundo exterior até que consigamos fazer paz com nós mesmos “. – Dalai Lama

 

Como é que podemos encontrar paz interior?

Esta é uma das perguntas que mais ouvimos mas raramente escutamos uma resposta que nos satisfaça totalmente ou nos dê uma solução.

Há quem diga que a chamada paz de espírito – ou paz mental – está associada à segurança e à autoconfiança. Outros dizem que se trata de encontrar estabilidade e tranquilidade nas nossas vidas. E ainda há quem diga que essa paz se atinge quando aprendemos a aceitar tudo o que nos acontece, a deixar ir as coisas que nos perturbam e a agradecer tudo o que a vida nos oferece.

Bem, eu cá acho que é tudo isto e que essa paz está também em tudo aquilo que fazemos.

Há dias li um artigo extraordinário escrito por alguém que transformou a sua vida por completo ao adoptar pequenas práticas diárias.

Antes de passarmos a elas, deixa-me contar-te a sua história.

A Ana tem 35 anos, é casada e tem um filha recém-nascida. Desde a sua altura do liceu que sente que vive numa ansiedade constante e sentindo uma grande instabilidade emocional. Ora porque colocava demasiada pressão em si mesma, ora porque tinha pouca confiança nas suas capacidades.

A sua vida sempre foi cheia de altos e baixos, onde o alto era o pico da montanha mais alta e o baixo o poço mais fundo e escuro que consigas imaginar. E a velocidade e rapidez com que os subia e descia era completamente avassaladora e de cortar a respiração.

Para complicar ainda mais a sua vida, a poucos dias da Ana fazer 22 anos, os seus pais deram-lhe a pior notícia que ela poderia ouvir naquele dia: íam divorciar-se.

Foi aí que as noites noites mal dormidas apareceram e se instalaram em grande força por quase uma década. Noites mal dormidas e uma ansiedade constante que não a deixava relaxar. Bem maior do que aquela que ela conhecia desde os seus 15 anos.

Todos os dias eram uma luta de tirar o fôlego e tudo o que ela mais desejava era poder “desligar”, deixar de sentir que os pensamentos negativos a agarravam com as suas duas grandes mãos, a apertavam e não a deixavam relaxar nunca. Era assim que ela se sentia todos os dias, presa pelo monstro da ansiedade.

Na época de exames da faculdade e quando teve que começar a procurar emprego, os estados de ansiedade aumentaram ainda mais e chegou a ter alguns ataques de pânico.

Recorreu a Acupuntura, a calmantes naturais e, apesar de conseguir dormir melhor e sentir-se mais calma durante o dia, aquela agitação mental que não a deixava sequer ler um livro numa esplanada por 10 minutos sem as interrupções constantes “da sua cabeça”, mantinham-se.

Foi assim que a Ana viveu quase 10 anos da sua vida… sim, 10 anos ansiosa, tensa, preocupada e a esquecer-se de aproveitar as coisas boas que a vida lhe ía dando… Atravessava um verdadeiro caminho de (auto) destruição. Na realidade, em pleno século XXI, ainda não temos a verdadeira noção de como o stress e a ansiedade são nossos inimigos.

A mente dela não era propriamente um local onde gostarias de viajar. Era como se houvesse sempre uma guerra constante lá dentro. Chegou a afastar muitas pessoas da sua vida por agir sempre com a ansiedade e o medo que a acompanhavam de mão dada diariamente. Mas de todas as pessoas que ela magoou na sua vida, ela foi a mais prejudicada e magoada, tendo feito coisas que até hoje a fazem sentir-se culpada e envergonhada.

Depois de quase uma década de agitação permanente, foi através de uma amiga que conheceu no seu novo emprego, que a Ana ouviu falar pela primeira vez de “encontrar paz mental” e meditação. Não ouviu… escutou! Foi algo que despertou e agarrou a sua atenção de forma imediata e intensa, pois encontrar paz e aumentar a sua auto estima era, e sempre foi, o seu maior objetivo e tudo o que ela mais queria (e precisava).

E as respostas às questões que ela sempre tinha colocado a si mesma, afinal, eram bem mais simples do que ela sempre imaginou.

Tu crias o teu estado mental com as coisas que fazes todos os dias e é em ti que está a capacidade de calcificar essas mesmas coisas com as histórias que contas a ti próprio, repetidamente.

Tu crias a tua paz! A paz que procuras não está em A ou em B, está em ti!

As coisas vão sempre mudar, a vida pode ser muito dura por vezes e até mesmo derrubar-nos. As pessoas vão dizer-te coisas que te magoam e vão desiludir-te muitas vezes. As tuas expectativas vão ser deitadas por terra e tu vais sentir-te mal e sem rumo. E isso… isso é natural. Todos passamos por isso. Eu já passei por isso, tu, possivelmente, também já passaste por isso e a Ana também.

E como é que ela conseguiu dar a volta por cima e atingir uma vida completamente tranquila? Primeiro porque tomou a decisão de que não ía mais viver assim. Bateu o pé e decidiu que queria viver de forma diferente, de uma maneira mais tranquila, vivendo íntegra e plena.

Mas claro que não é num estalar de dedos que se consegue atingir este estado de plenitude. Nem ela conseguiu de um dia para o outro começar a sentir-se mais relaxada e em paz.

Tal como a Ana fez, precisas praticar todos os dias e sobretudo, ser focado e consistente nas tuas práticas.

 

Deixo-te aqui algumas das práticas que podes começar já a adotar para que comeces a sentir paz interior:

1. Conhece o Teu Eu Ideal

Faz uma lista de todas as qualidades que gostarias de ter, manter ou reforçar. Queres ser mais calmo/a, mais compreensivo/a, mais carinhoso/a, mais tolerante, menos impaciente? Quais são os teus princípios? Quais vão ser as tuas respostas aos desafios da vida? Como queres reagir a eles?

2. Faz o Que é Certo

Se estás a ter grandes dificuldades em lidar com o teu estado emocional ou estado mental neste momento, poderá ser difícil agir da forma que achas ser a mais correta todos os dias. Com certeza que vais errar e vais ver-te a agir de uma forma que não é a que mais gostarias. Não te preocupes, nem te culpes. Faz parte do processo e é natural. Pensa que da próxima vez vais fazer o que é certo. E de dia para dia, semana para semana, mês para mês, será mais fácil.

3. Esquece o Perfeccionismo

Permite-te ser imperfeito. Só assim poderás progredir. Não te penalizes quando erras, não te sintas mal ou zangado contigo mesmo por não estares a viver a vida que achas ser a ideal ou por não teres conseguido aquilo que querias porque fizeste algo errado. Isso vai sempre acontecer. A forma como lidas com isso e dás a volta por cima dita a maneira e a  rapidez com que evoluis. Continua. Todos erramos.

4. Corrige Imediatamente

Se por algum acaso tratares alguém de forma injusta ou pouco educada, ou se fizeres algo desonesto ou mau, corrige isso imediatamente. Pede desculpa, conversa, emenda o erro, minimiza os estragos. Não esperes. Corrige os teus erros o mais rápido possível e assim poderás dar tranquilidade à tua mente e encontrar a paz que procuras, sabendo que melhoraste os teus comportamentos e atitudes, fazendo a tua parte no alívio de qualquer sentimento de culpa.

5. Pratica a Paciência

É possível que as pessoas à tua volta não estejam a viver da mesma forma que tu escolheste viver. Isso não importa! Eles vivem da forma que querem e de que acordo com a consciência deles e tu vives com a tua. Escolhe sempre uma forma de responder e agir que te traga paz de espírito. Respira fundo antes de reagir a provocações.

6. Deixa Que a Tua Cabeça e o Teu Coração Te Guiem

Nunca terás tranquilidade e paz mental se permitires que os pensamentos negativos dominem a tua mente. Tenta ver o lado bom de todas as coisas. Tenta entender os outros antes de os julgar. Perdoa e vais sentir-te livre.

7. Pensa a Longo Prazo

Quando estás chateado ou frustrado, pára, não ajas. Respira fundo e deixa que esse estado de ansiedade passe, antes de responder ou de fazeres algo de que te poderás vir a arrepender mais tarde. Pensa, “será que me vou sentir bem ao comportar-me desta maneira? Isso vai conduzir-me à paz que procuro?” Se não, não o faças.

8. Valida-te

Não podes sentir paz se não tiveres tempo para a reconhecer plenamente. Em situações difíceis, repara no que fazes bem e anota num papel ou num caderno essas coisas. No final de cada dia, tira uns minutos para pensar nas coisas que fizeste bem, como e em que situações conseguiste manter a tua integridade. Vais sentir-te a evoluir.

 

O que é que te ajuda a sentires-te bem contigo mesmo?

Partilha connosco e diz-nos se gostaste deste tema. Incentiva-nos a escrever mais.

Comentários